Header Ads

Pimentel e as consultorias fantasmas


Atualmente governador de Minas Gerais, o petista Fernando Pimentel já foi ministro e atuou fortemente na campanha da ex-presidente Dilma Rousseff. Hoje, entretanto, sabe-se mais do que na época, tanto que a Assembleia Legislativa de Minas Gerais autorizou neste ano a abertura de um processo de impeachment contra ele. No momento ele concorre à reeleição e, pelas pesquisas, está em segundo lugar. Mas não é disso que vou tratar agora. O tema é outro.

Em 2011 o jornal O Globo revelou sobre Pimentel o estranho caso da P21 Consultoria e Projetos Ltda., empresa que pertence ao atual governador de Minas. Segundo as informações do jornal, Pimentel faturou pelo menos R$ 2 milhões entre 2009 e 2010, justamente quando ocorreu sua saída da prefeitura de Belo Horizonte e a chegada na campanha e posteriormente no governo de Dilma Rousseff. (Fonte)

Um de seus "contratos" de consultoria foi com a Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), que lhe pagou o valor de R$ 1 milhão em 2009 e outros R$ 514 mil, no ano seguinte. Dirigentes da própria Fiemg, entretanto, disseram na época nunca terem visto Pimentel trabalhando para a federação, alegaram desconhecer seus serviços.

O outro dos "contratos" de Pimentel, na época, foi com a Convap. 
"O serviço à Convap durou de fevereiro a agosto de 2010, época em que Pimentel era um dos coordenadores da campanha de Dilma e viajava o Brasil com a candidata. Após a consultoria, a Convap assinou com a prefeitura do aliado de primeira hora de Pimentel, Márcio Lacerda (PSB), dois contratos que somam R$ 95,3 milhões." (O Globo)
A coincidência é questionável, já que Pimentel teria trabalhado para a Convap oferecendo um trabalho complexo e muito caro de consultoria ao mesmo tempo em que atuava diretamente na campanha de Dilma, viajando pelo país, e ainda depois disso a mesma empresa que o pagou pela consultoria conseguiu um contrato multimilionário com a prefeitura de seu aliado do PSB.

E ainda:
"Menos de um ano após pagar a última parcela pela consultoria do petista, a Convap foi escolhida no governo Lacerda para tocar obras viárias de implantação do sistema de BRT (Bus Rapid Transit) na Avenida Cristiano Machado, para a Copa do Mundo de 2014 (R$ 36,3 milhões), e da Via 210, na região Oeste da capital mineira (R$ 59 milhões). As duas obras são em consórcio com a construtora Constran." (O Globo)
Outra estranha coincidência é que a Fiemg pagou R$ 1 milhão por informações que, em linhas gerais, o ex-prefeito ofereceu de graça pelo menos 13 vezes em palestras para estudantes, políticos e comerciantes locais em viagens por Minas naquele mesmo ano, de acordo com o site “Amigos do Pimentel”.

Segundo o presidente do Conselho de Política Econômica Industrial da Fiemg, Lincoln Gonçalves Fernandes, e o gerente de Economia, Guilherme Leão, responsáveis por esse trabalho na entidade, nunca houve a participação do político.

"Pimentel? O Fernando Pimentel, hoje ministro? Não, eu desconheço. Em 2009 eu estava aqui lidando com isso. Aqui na área econômica não teve participação efetiva dele trabalhando como consultor" — disse Leão.

"Nunca participei de qualquer reunião. Estou sabendo dessa consultoria por você" — completou Fernandes.

Na época o jornal O GLOBO solicitou à Fiemg cópias do contrato com a P-21 e do plano de trabalho previsto. O responsável argumentou que pesquisaria os arquivos e, não havendo cláusulas de confidencialidade e informações de caráter reservado, os poria à disposição. Até hoje estes documentos nunca apareceram.

Olavo Machado era o presidente da Fiemg na época em que a reportagem foi realizada, apesar de ter assumido depois da suposta consultoria de Pimentel. Ele foi contatado pelo jornal e foi quem ficou responsável por encontrar os tais documentos, o que não aconteceu. No entanto, ao ser questionado sobre as atividades de Pimentel, embora nem estive no comando da federação na época dos supostos contratos, ele disse ter pago por “análise, avaliação e aconselhamento sobre aspectos da economia local e mundial”, “discussões socioeconômicas com base em experiência técnica, universitária e administrativa”, e “dimensionamento de mercados para empresas, aspectos de meio ambiente e sustentabilidade”.

Como dito anteriormente, a história não bate, já que as tais análises e discussões consistiam em conteúdo facilmente encontrado de graça. O próprio Pimentel palestrou gratuitamente sobre o tema em diversas ocasiões.

De fato as coincidências sempre estão rodeando os petistas. Muitos deles são contratados misteriosamente para consultorias e palestras que ninguém viu ou ouviu falar, e os rendimentos são sempre elevados. Também é comum que as mesmas pessoas que pagam pelos seus serviços recebam de volta benefícios do governo, contratos com prefeituras, governos estaduais e até mesmo com a União.
Tecnologia do Blogger.