Header Ads

Intervenção é aprovada no Rio, mas qual será a próxima manobra esquerdista?

Não entrarei no mérito de dizer se a Intervenção no Rio de Janeiro é boa ou ruim, se ela vai ou não vai funcionar, porque creio que a situação por lá fuja bastante de minha compreensão. Este, então, nem é o objetivo aqui. O que pretendo é apenas adotar aquilo que considero uma visão estratégica da coisa.


O decreto foi aprovado, a Intervenção já está ocorrendo. Quais foram as narrativas esquerdistas até agora? 

1) Disseram que isso é coisa de governo golpista que quer tomar medidas que possam melhorar sua popularidade;
2) Disseram que a medida visa combater os pobres e que isso tem relação com aquela faixa colocada por traficantes na Rocinha;
3) Disseram, ainda, que o Exército irá violentar civis inocentes e que usará a força bruta para isso.

Estas três principais narrativas estão conectadas, fazem parte de um mesmo projeto porque se complementam. No fundo, é claro, a real preocupação esquerdista é mais com o que acontecerá aos traficantes. Mesmo que o Exército não seja capaz de prender todos os bandidos, e creio que não será mesmo, ainda assim isso atrapalha os negócios. E quem é que não sabe, ainda, que o narco-tráfico carioca é o que sustenta alguns partidos políticos, escolas de samba e times de futebol? Duvido que ainda existam inocentes que ignorem este fato, não é mesmo? 

O Comando Vermelho, aliás, surgiu justamente disso. A relação íntima entre políticos radicais e bandidos comuns, presos nas mesmas celas durante a ditadura militar, mais uma tremenda burrice cometida por aqueles generais admirados por uma legião de idiotas.

Seja como for, o próximo passo é óbvio: a extrema-esquerda vai partir para a deslegitimação. Será como na Guerra do Vietnã, a guerra que os EUA perderam não no campo de batalha, mas em casa, para jornalistas e ativistas políticos que não desistiram em momento algum de denunciar qualquer ato violento cometido pelas forças americanas no oriente [mais uma questão sobre a qual não entrarei no mérito agora].

O que provavelmente vai ocorrer é que ativistas de extrema-esquerda, em geral ligados a grupos como UNE, MTST e ONGs esquerdistas em geral, surgirão com denúncias aos montes. Certamente haverá fotomontagens, certamente teremos algum vídeo de má qualidade mostrando crianças assustadas em meio a algum tiroteio. Se o Exército por si só não cometer nenhum erro e não der a eles este tipo de munição, naturalmente eles vão forjar, porque é isso o que fazem.

Grupelhos como Mídia Ninja e Jornalistas Livres farão lives, tirarão fotos, farão vídeos, tudo para mostrar a "truculência dos militares". Então eles usarão termos como "fascistas", "racistas", dirão que há violência policial - mesmo se não houver - e entrevistarão "moradores" que vão concordar com suas narrativas, mas que certamente não serão moradores comuns e sim membros de algum grupo deles próprios.

Como boa parte da direita apoiou a intervenção, e consigo entender perfeitamente as razões para isso, o certo é estar preparado para tudo. Se essa Intervenção for além dos discursos feitos até agora e tomar corpo, teremos uma guerra de narrativas e provavelmente ela será perdida, já que a direita em geral não possui estrutura psicológica e nem organização para lidar com nada disso.

Veremos...











Tecnologia do Blogger.