Header Ads

Meus pêsames aos porto-alegrenses

O estado do Rio Grande do Sul e em especial a capital, Porto Alegre, tem sido judiados pela política dos últimos anos. Os porto-alegrenses têm para as eleições deste ano mais do mesmo, e quase todas as opções são realmente ruins.

A começar, na ponta da lança está Luciana Genro, do PSOL, liderando as pesquisas. Ela aparece com 23% das intenções de voto, seguida por Raul Pont, do PT, com 18%. Em quarto lugar, uma figura também já conhecida: Sebatião Melo, do PMDB, que atualmente é vice-prefeito. Agora, vou explicar a você o tamanho de toda essa desgraça.

Porto Alegre tem vivido uma onda crescente de violência e problemas graves de infra-estrutura. A cidade se transformou, para pior, e de uma maneira radical na última década. A piora foi tão perceptível que ninguém mais consegue fazer de conta que não vê.

Até dezembro de 2014, o governador do estado era Tarso Genro, do PT, que por acaso é pai de Luciana Genro, a líder nas pesquisas. A filhinha do ex-governador, inclusive, já foi do PT também e saiu para fundar o PSOL, um partido ainda pior. Tarso já foi prefeito de Porto Alegre há muitos anos, tendo seu último mandato durado até 2002. Adivinhem quem o sucedeu. Foi o mesmo Raul Pont, do PT, segundo colocado nas pesquisas.

Sebastião Melo entra nessa história de uma maneira irônica. Ele é do PMDB, mas é vice-prefeito da gestão de José Fortunati, do PDT (e ex-petista). Fortunati governa Porto Alegre desde 2010, quando José Fogaça, do PMDB, deixou a prefeitura para concorrer ao governo do estado - sendo derrotado pelo Tarso Genro. Fortunati se reelegeu em 2012 e agora não pode mais concorrer, então colocou Melo para sucedê-lo. O atual governador, Sartori, é do PMDB também.

O PDT, que continua na chapa, nomeou Juliana Brizola como vice de Melo. Como se pode notar, Juliana Brizola é neta de Leonel Brizola, que era amigo de Lula, de Dilma (que também já esteve no PDT), e que também era muito chegado em Tarso Genro. Na coligação que apoia Sebastião Melo, além do PDT há também o REDE, o partido de Marina Silva.

Ou seja, há um projeto de poder maquiavélico no qual o cidadão fica, praticamente, sem nenhuma saída. Com exceção de Nelso Marchezan Jr., que está na terceira posição com 12% dos votos e é um dos poucos candidatos sem passado negro, todos os outros com reais chances de vitória significam a exata continuidade de tudo o que já está acontecendo. É uma forma grotesca de perpetuação de poder, já que se Luciana Genro vencer, ela dará continuidade ao trabalho que o pai fez no estado inteiro. Se Raul Pont ou Sebastião Melo entrarem, também darão continuidade à gestão atual.

A capital gaúcha precisa, urgentemente, se livrar dessa gente. Não gosto de político nenhum, mas por uma questão de mero pragmatismo, se vivesse lá, votaria em Marchezan Jr de olhos fechados.



Tecnologia do Blogger.